domingo, 8 de maio de 2011

Escolhas. Sempre tive problemas com elas; sigo tendo. Cada vez se faz mais e mais necessário escolher. Pra organizar minha vida, meus sentimentos, minhas ações. Não gosto do caos. Mas eu sou o caos. Sou desconexa, pouco sólida, fluida demais. E quando se é o que não se quer ser só há uma saída: fazer escolhas. Escolher ser de outro jeito. Agir primeiro, se o 'ser' for muito difícil à princípio. Depois o 'fazer' vai se camuflando e virando 'ser'. O que não se aprende quando se quer ficar bem?
Quero começar aos poucos. Escolher esse pensamento e não aquele. Escolher sair de casa. Escolher ficar em casa. Escolher ir de bicicleta. Pensar e escolher. E depois, viver. Não se apegar ao passado. Viver o escolhido. Escolher ser feliz. Não escolher nunca a tristeza, a auto-comiseração, a auto-piedade. Todos esses 'autos' que só me levam a uma solidão inútil. Escolher ser feliz.

Um comentário:

Guilherme disse...

"Você vai rir, se perceber: felicidade é só questão de ser."