segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Falta um quê

Falta um quê não sei de quê. E essa falta me faz mergulhar numa penumbra constante. Raios de luz volta e meia invadem meu ser, e se vão. Minha cabeça mergulha em agonia, meu corpo permanece inquieto por dias seguidos. E eu só me pergunto até quando. Porque sei que a chave dessa prisão é apenas um detalhe. Uma respiração. Uma inspiração. Digo a mim mesma que não deveria ser assim. Que a essa altura de minha jornada já não deveria me deixar ser acometida por esses medos inexplicáveis e essas alucinações angustiantes. A essa altura já sei de cor que tudo se esvai sempre. As energias não são duráveis. Elas fluem. Mas seu tempo de vida pode ser um período de imensa agonia pra quem as vive de forma tão intensa. Falta um quê não sei de quê. Enquanto isso, apenas insisto.

Um comentário:

Lia Saboia disse...

saber já é um dos detalhes :)